terça-feira

OS JUSTOS

Dias 30 de Novembro, 1, 2 e 3 de Dezembro às 21:30
OS JUSTOS



Na Moscovo czarista, em 1906, uma célula socialista e revolucionária de elementos terroristas prepara e leva a cabo um atentado mortal contra o Grão-Duque.
Em torno desta acção, o texto de Os Justos apresenta um confronto de perspectivas éticas sobre a morte sacrificial que é motivada por um ideal de transformação do mundo, e sobre o seu resultado previsível: a vítima do crime de morte terrorista e a vítima da pena capital imposta pela lei da justiça do estado.

Albert Camus escreve Os Justos em 1949 e é nesta peça que equaciona este tema de um modo mais preciso, inventando para isso uma trama de relações e acontecimentos em torno da actividade de um grupo de revolucionários, na Rússia do início do século XX. Não a escreve para condenar simplesmente o terrorismo. Mas antes, atribuindo validade à causa do grupo, para perscrutar o que de romântico ele possa conter, o que de inocente o terrorista possa ter e, sobretudo, para aferir os limites da acção de revolta, o limiar de uma ética. E para duvidar, ainda, de todos eles.

Jorge Andrade foi distinguido com a menção honrosa do Prémio Madalena Azeredo Perdigão 2004, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian, pela encenação de Os Justos.os justos texto Albert Camus concepção dramatúrgica/cénica Jorge Andrade com Anabela Almeida, Jorge Andrade, John Romão , Pedro Gil e Pedro Martinez2004


RESERVAS: zdb@zedosbois.org t. 21 343 02 05 INFO ZDB : www.zedosbois.org

1 Comments:

Anonymous joão matos said...

A galeria Zé dos Bois, mesmo porreira. Na Galeria Zé dos Bois, no que foi um excepcional monumento à expressão.

12:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Free Counter
Free Counter Estou no Blog.com.pt